Capítulo 1 – Nada dura para sempre
O tripé do empreendedorismo – flexibilidade, adaptação e resiliência, destacando a adaptação a mudanças como uma das chaves do sucesso, e o atual momento de ciclos mais curtos e velozes de lançamento de produtos.

“Tudo o que você considerava certo e inabalável pode se modificar”.

Capítulo 2 – DNA inovador
Gostei da analogia Davi x Golias – pequeno israelita que resolveu enfrentar o gigante filisteu Golias – com o empreendedorismo atual, onde temos acesso mais fácil a informação e um negócio pequeno pode bagunçar o mundo das empresas gigantes.

Os cases de inovação das empresas Skype, Waze, Airbnb, Nubank e Netflix,  e como a todo momento, os mercados (e as pessoas) mudam muito depressa e os grandes nem sempre têm agilidade para acompanhar estas transformações.

Encontre um propósito! Inovar não é ficar quebrando a cabeça atrás de algo que não existe, e sim olhar ao redor e descobrir algo que incomoda você e que pode ser melhorado. A inovação é um processo, metodologia, treino. Não tem a ver com a criatividade em si, pois as pessoas mais inovadoras, não são necessariamente as mais criativas.

“As empresas inovadoras são as que criam mercados que não existiam”.

Capítulo 3 – Uai not?
Empreender com escala, onde o produto ou serviço pode ser reproduzido com facilidade, sem demandar aumento de custos ou de recursos por causa do aumento da oferta. Por exemplo, uma consultoria não é um negócio escalável, assim como outros que exijam treinamentos complicados.

“Não deixe incômodo adormecido; nele existe uma oportunidade”.

O case da empresa Love Mondays em que os funcionários podem avaliar as empresas gratuita e anonimamente, proposta simples e que surgiu de um problema pessoal. O livro Exponential Organizations numera cinco ponto que definem as características de um negócio exponencial:

  1. Equipe sob demanda
  2. Comunidade e multidão
  3. Algoritmos
  4. Ativos alavancados
  5. Engajamento

E o mindset de ter mais execução e menos planejamento, não se prendendo tanto a teorias e planejamento como business case. Os três motivos planejar menos e executar mais são: o mundo de hoje é veloz; sua ideia não é única; executar é barato.

Capítulo 4 – A lógica da simplicidade
O saia do seu lago é uma interessante orientação, pois sardinha só nada sardinha e tubarão só nada com tubarão. Começar a ir atrás dos tubarões, além de acessível, pode oxigenar as ideias e trocar experiências enriquecedoras.

“O que diferencia os empreendedores é esse olhar afiado”. Encontrar problemas reais para você e para os outros podem trazer sucesso no seu empreendimento: Uber (a falta de táxi na rua), GoPro (a dificuldade de fotografar sem borrar as imagens) e 3M (fita adesiva fácil de colar e retirar dos lugares).

Imagem relacionada

Capítulo 5 – Peça ajuda
Enxergar seus pontos fracos e pedir ajuda se quiser fazer seu negócio seguir adiante. “Se você não sabe a resposta para alguma questão, alguém sabe e poderá te ajudar”. Neste ponto é narrado a importância com contatos que tenham experiencias distintas e a analogia de nadando com tubarões – quando você é só uma sardinha, mas nadando no meio de manjubinhas, parece o maioral; quando começa a nadar com tubarões, perece que tem muito a aprender para chegar no patamar daquelas pessoas.

Aprenda a criar uma rede de contatos e as chaves para o networking eficiente:

  • O empreendedor precisa focar vários fatores diferentes que levam ao networking
  • Faça com que as pessoas falem sobre você
  • Conheça as pessoas que serão cruciais para você antes de abrir a sua startup
  • Quanto a sua rede de contatos confia em você como líder da sua empresa influencia o seu sucesso
  • Aprender com pessoas de fora da sua equipe alavanca a sua rede de contatos, e isso aumenta a reputação da sua startup
  • Seu conforto ou desconforto com o fato de fazer networking não vai afetar o sucesso da sua empresa

Capítulo 6 – Entre o mapa e o terreno, escolha sempre o terreno
As cinco forças de Porter e como não virar commodity em um mundo que gira muito rápido e quem quer inovar precisa entender isso. Os sinais de que é preciso levar o seu negócio para outro caminho:

  • Quando você começa a ganhar muitos concorrentes que oferecem um serviço com mais eficiência e com preço mais baixo que o seu.
  • Quando você perde o poder de barganha com seus clientes.
  • Quando não há mais aquele brilho nos seus olhos – ou nos olhos dos seus colaboradores.

Resultado de imagem para cinco forças de porter

Capítulo 7 – Não perca as pessoas de vista
“Você precisa encontrar algo ao qual você queira dedicar a sua vida”. As descobertas surpreendentes não apareceram por acaso. Tiveram equipes dedicadas e brilhantes enfrentando o problema dia e noite.

Movimentos sociais, organizações em rápido crescimento e descobertas notáveis em ciência e tecnologia têm algo em comum – são muitas vezes subprodutos de um propósito profundamente unificador – MTP (massive transformative purpose):

  • Maciço: audaciosamente grande e inspiracional
  • Transformador: pode causa grandes transformações em uma comunidade ou planeta
  • Propósito: existe um “porquê” muito claro por trás do trabalho. Algo que une inspirações e ação.

Para encontrar o seu MTP, recomenda-se seguir dois passos:

  1. Identificar o “quem”: descubra quem você quer impactar com seu negócio ou serviço.
  2. Identificar “o quê”: qual problema você quer pegar e resolver?


Capítulo 8 – Seja ágil e leve
As startups cresceram no Brasil e provaram que dá sim para começar a empreender com pouco dinheiro. A teoria do faster, better cheaper nasceu com a NASA, experimentando coisas novas e assumindo riscos para ganhar retorno significativo:

  • Focar missões menores, parar de colocar “todos os ovos em uma cesta só”.
  • Incorporar tecnologia avançada às missões
  • Reduzir o headquarter administrativo da NASA, dando mais responsabilidade para os centros.
  • Criar visões e roteiros emocionantes para novas missões.
  • Errar é permitido.

“Errando diferente, a gente encontra a inovação e aprende mais rápido”. Experimente (e aprenda) mais. O exemplo da Hack Week na Samba e os projetos gerados a partir de ideias experimentadas. Construir-medir-aprender é o conceito central do livro Lean Startup do Eric Ries, cujo propósito é transformar ideias em produtos.

Capítulo 9 – O sucesso começa pequeno
Alguns pontos, considerados por Sangeet Paul Choudary (criador do blog Platform Thinking), como ser disruptivo:

  • Observe empresas que estão se tornando ineficiente
  • Observe indústrias que têm acesso a uma demanda específica
  • Observe indústrias fragmentadas

Capítulo 10 – Não acredite no “sempre foi assim”
“Comece agora. A inovação não espera”. Steve Jobs, o criador da Apple, possui uma frase encorajadora: “Todas as coisas que estão ao seu redor e você chamada de vida foram criadas por pessoas que não eram mais espertas que você”.

A revista norte-americana Fast Company listou com base na trajetória dos profissionais que integraram a lista de 100 pessoas mais criativas de 2016, alguns itens importantes para estar atento aos problemas e adotar as lições de criatividade:

  • O impossível acontece…, mas só se você tentar
  • As oportunidades estão sempre se expandindo
  • Sonhe com o que não existe
  • O que é tabu é o que importa
  • Toda comunidade precisa de um ídolo
  • O ambiente de trabalho pode ser agrádavel
  • Fique atento a tudo
  • A competição é combustível
  • Mais do que um problema
  • Ensinar é um privilégio